keeping the vibe

> 01 DE JUN 2016

 

Desde os 5 anos, Deniz sempre foi apaixonado por música. Aprendeu a tocar piano, e caras como Fedde LeGrand, Tiesto, Avicci, Alesso (onde recentemente produziu o remix de “I Wanna Know” e atualmente é uma das tracks mais tocadas nas rádios de todo o planeta), Erick Morillo (que se apresentará em 18 de junho no Laroc Club em Valinhos), David Guetta, citando apenas alguns, rasgam elogios a suas produções. O mundo dançou ao som de “Tung” que, em meados de 2012 alcançou os mais diferentes tipos de pistas – foi hit até na cena GLS. O produtor, que no inicio de sua carreira passou infinitas horas dissecando músicas de lendas como Depeche Mode, Daft Punk e Kraftwerk anda a passos largos e corre ao número de um milhão de seguidores no facebook. Em sua breve vinda ao Brasil, onde apresentou-se no Tomorrowland e no Laroc, Deniz conversou conosco, e mostrou porque tem sido um expoente na cena que, a olhos vistos, torna-se repetitiva por grande parte dos produtores. Confira na íntegra como foi nosso bate papo:

13310334_1137516092965350_2431083089829543988_n

1. Deniz, para aqueles que ainda não conhecem sua música, como você descreveria em palavras como é essa experiência? O que faz a sua música original? E o que você ser único?
Minha música é harmônica e cheio de emoção. Ao mesmo tempo, ele é poderosa nas pistas, com o algo especial para lembrar. Eu acho que é bastante difícil de realmente dizer o que faz a faz se sobressair. Eu coloquei todo o meu coração em todas as minhas produções. Prefiro passar uma semana ou duas mais em uma trilha para chegar aos ultimos 2% de uma música, do que para ter “apenas” 98% e ficar satisfeito com o resultado.
13076682_1117117965005163_3006566449762574215_n
2. Eu li que você toca piano. Como ele ajuda você a fazer música? Você toca algum outro instrumento? Têm projetos paralelos a música eletrônica?
Sim, o piano foi realmente o meu primeiro contato direto com a música. É um grande instrumento para tocar, aprender e para iniciar o processo de composição. Na verdade, é o único instrumento que eu toquei quando eu era mais jovem. Mas isso me ajudou uma ótima maneira de entender os fundamentos da harmonias e melodias.
3. “Tung” foi um enorme sucesso aqui no Brasil, e abrangeu até a cena gay, que é completamente diferente dos outros circuitos ao redor do mundo – pessoalmente, eu dancei milhares de vezes. (Escute a track aqui). Você acha que foi sua maior track também? Qual é a história por trás ddela? E como você vê “I Wanna Know” com Alesso (que as pessoas canta enlouquecidamente em todo o mundo)? Você esperava a uma reação tão positiva do público?
Bem, como produtor que sou naturalmente, acredito muito no potencial da track. O resultado real e o sucesso que teve é algo que ninguém pode prever. Isso é algo que realmente nos deixa pra cima e nos dá uma grande motivação para fazer mais. Eu acho essa música é definitivamente uma das maiores tracks que eu já fiz. O remix com Alesso é completamente diferente. Na verdade, eu comecei esse remix como um projeto solo, mas após o envio Alesso a primeira ideia, que ele amou tanto que ele queria contribuir com seu ponto de vista também. Para mim, este foi um grande momento, sabendo que um dos meus maiores ídolos e melhores amigos da música estava apostando tanto e feliz com meu trabalho.

4. Como foi a sua turnê no Brasil? Você tocou nos melhores clubes do mundo (Laroc e Green Valley); em um dos maiores festivais da terra (Tomorrowland Brasil) e você veio muitas vezes aqui – o que você sabe sobre o meu país? Como é sua relação com os seus fãs? Podemos esperar algo especial quando você atingir 1 milhão de seguidores no facebook?
Eu adorei no Brasil. Todos os shows foram fantásticos, não me lembro se divertido tanto em uma turnê como essa. Eu realmente acho que os brasileiros são super gratos por festivais como Tomorrowland. Ele traz uma grande vibração para o país. Além disso, as pessoas no Brasil já são naturalmente apaixonadas por música, porque os clubes como o Green Valley e Laroc foram estabelecimento de padrões altos de qualidade, seja hoje ou no passado. Sim,  definitivamente tem algo especial para 1 milhão de seguidores :-)

5. O que você acha sobre o “estigma” em torno EDM? Você sente que DJ desta década são muito repetitivos? Como você pode ainda consegue ser inovador? Daft Punk e Kraftwerk ainda são grandes inspirações para você? O que você ouve fora da música eletrônica?
Claro, Daft Punk e Kraftwerk são atemporais na minha opinião. A sensação e o impulso que foi definido e criado na época sempre serão ecoados por quem viveu, conheceu, e por isso suas músicas serão eternamente incríveis. Eu sinto que se tornou tão “fácil” criar música que muita gente se esquece de que há muito mais do que apenas colocar juntos alguns sons e sintetizadores. O problema é que vivemos uma espécie de paradoxo. No entanto, exatamente o fato de que a música existe muito mais do que apenas sons e amostras deles é o pilar fundamental da razão de tanta música estar desaparecendo dentro de, por vezes, apenas alguns dias. O ingrediente chave está faltando que é um sentimento ou um estado de espírito ou algo especial, que faz a música única. É possível criar algo assim hoje em dia, porém, não é o que mais vimos. É preciso tempo para chegar ao ponto onde você pode realmente dizer que você criou algo especial.

6. Que tipo de erros que você fez no início da sua carreira e agora a experiência mostrou um outro lado para você?
Acho que lancei músicas muito rápido. Quando você é novo na cena, a coisa mais importante para você é liberar faixas. Então você pára de pensar em qualidade, em algum momento, e só quer que a sua música para seja ouvida. Este é a hora exata em que você deve repensar sobre isso e talvez voltar e criar algo especial. As estrelas de hoje não aparecem do nada. Eles sempre têm uma história ou algo que os fez se destacar. Esta singularidade é o que você precisa para trabalhar.
7. Como DJ, qual é a sua maior conquista? Você tem algum sonho que quer realizar e não reembolsaram? Se você não fosse DJ, o que você poderia estar fazendo?
Não há vida sem música. Então, se eu não estivesse tocando, eu só estaria no meu estúdio e trabalhando em música, talvez até mesmo como professor. A minha maior conquista é que eu ainda faço o que faço e eu sou capaz de viver fora do que estou fazendo. Com uma forma de arte, trabalhar com música esta é uma grande conquista.
13051767_1117118825005077_936238203531822748_n 8. Deixe uma mensagem para seus fãs brasileiros :)

 Galera, muito obrigado por me propiciar grandes momentos em meus shows. Eu realmente amei cada momento com vocês e não posso esperar voltar em breve!

 

 

Categoria(s):

entrevistas

VEJA TAMBÉM:

Em busca do amigo perdido no festival

Conheça o Friend Finder, um drone que consegue encontrar aquele amigo perdido na multidão dos festivais

Erick Morillo, ícone da house music, vem a Laroc Club

Com a proposta de unir música, pessoas e muito verde em um só lugar, a Laroc Club recebe o DJ e produtor norte-americano, proprietário da Subliminal Records, um dos selos [...]

Tribe: dicas e uma seleção com os melhores sets do festival

O Tribe, festival de musica eletrônica que comemora 15 anos de existência, e acontece no próximo dia 11 de junho no inédito haras Alto do Sagrado (para obter mais infos [...]
COMPARTILHAR > COMENTAR >

CONFIRA TAMBÉM...