keeping the vibe

> 02 DE MAIO 2016

 

Markus Schulz pode até soar um novo nome para o público brasileiro, mas tem muita história – mais de 10 anos influenciando a cena progressive, trance e house através da forma única como vê a música. Além de ter o Global DJ Broadcast, seu programa de rádio, também é o nome atrás da label Coldharbour Recordings e ainda tem a Schulz Music Company, uma agencia de gerenciamento de artistas, que atualmente conta com nomes como Nifra (que fez um set matador trance no Ultra Miami – clique aqui para escutar) e Grube & Hovsepian (que fazem um house ultra fino – escute aqui). Não bastassem todas essas ocupações, ainda tem o New World Punx, projeto onde produz e entra em turnê com Ferry Corsten.

1391505_10151783709919947_1838044498_n

O DJ e produtor ainda roda o mundo, já esteve nos principais clubs americanos, no circuito de Ibiza, nos maiores festivais europeus. A três anos atrás esteve no Brasil junto a Armin van Buuren, e voltou agora onde fez uma mega apresentação no Tomorrowland Brasil. E finalmente (ufa!) lançou na ultima sexta – feira 29 de abril “Watch the World”, seu novo álbum que contou com apresentações lotadíssimas em Los Angeles nos Estados Unidos durante o fim de semana. Mesmo com tantas ocupações, Markus conversou conosco, onde contou curiosidades sobre sua vida, carreira (a influência da cena GLS),  sobre a vontade de se reapresentar no Brasil no Green Valley (club catarinense considerado uns dos melhores do planeta), deu uma verdadeira aula sobre a cena e nos tornou ainda mais fãs de seu trabalho!

1) Markus, que tipo de música você tocava no início da sua carreira e como você foi sua caminhada até a cena progressiva e trance?
Minhas produções no início eram tão básicas e cheias de falhas…  Meus primeiros passos na cena foram como dançarino de break, e após a contratação de um hotel local para uma festa com os amigos, fui convidado a tocar durante toda a noite – e assim foi meu primeiro emprego como DJ. Este é o lugar onde eu aprendi a definir o humor, fazer uma noite evoluir, lidar com os gerentes e assim por diante. Foi frustrante, porque eu inicialmente achei bem difícil incluir novas músicas nesses “top 40” [os rankings]  populares, e foi só depois de visitar clubes gays que minha mente foi se abrindo para os [sons] graves e os batidas bem marcadas das músicas.

Quando me mudei para o Arizona, comecei a tocar nos clubes gays, e lá então houve o desafio de tocar música para as pessoas que já iam para os lugares sabendo o que queriam escutar. Isso me levaria a ser contratado por uma estação de rádio para criar uma mixshow e, posteriormente, me permitiu criar remixes para grandes artistas pop como Madonna e os Backstreet Boys. Então esse foi o começo, mas agora eu olho para trás e penso sobre  como era falho meu trabalho. Alguém encontrou recentemente o remix Backstreet Boys on-line e eu nem acreditei que tinha feito aquilo ao ouvi-lo!

Markus-Schulz-large4

Depois de ser descoberto pelo “The Works”, que era um clube onde eu fui residente por sete anos antes de ser fechado, eu sabia que tinha de desenvolver uma identidade fora dos top 40 e dos remixes. Portanto, este foi o primeiro passo na produção de conteúdo original, sob meu próprio nome, e também, por vezes sob o pseudônimo Dakota. O mais famoso desse período foi “You won’t see me cry“.  No entanto, a minha vivência sabática de estar dois anos em Londres foi o ponto de virada . Eu vivia em um estúdio em Coldharbour Lane, e fui cercado por uma mistura de produtores com diferentes estilos – trance, drum n bass, speed garage, house. Uma vez que eu desenvolvi o mantra de fazer música que eu quisesse, e que poderia coloca-las em meus próprios live sets, ou seja, outras pessoas poderiam reproduzi-lo em seus aparelhos, meio que foi onde a alma do som Coldharbour que tem evoluído ao longo dos anos, foi concebida. Reinspirado, voltei para os EUA e Miami tornou-se minha casa. E a 14 anos eu vivo aqui!

2) Com tantas tracks produzidas, qual delas você gosta mais e  qual é a história por trás?
Essa é uma pergunta difícil, porque há algumas que eu possa reflito e sinalização como significativas em minha carreira. Então, eu vou mencionar algumas. Em termos de importância acho “The New World” (e “Do You Dream”) foi um divisor de águas na época, por causa da minha associação com os eventos da “Transmission” em Praga. Eu sei que eu me encontro com muitos fãs, especialmente aqueles que vivem nos países da Europa Oriental, e me descobriram graças a essa faixa. Essa área continua a ser importante para mim hoje – República Checa, Hungria, Roménia, Bulgária etc. – e a Transmission é a nossa reunião anual em conjunto.

Me perguntam muitas vezes em entrevistas sobre minha track favorita de trance, ou a track que eu gostaria de ter feito, e minha escolha indiscutível sempre foi “Perception” de Cass & Slide. Ele me lembra muito do meu tempo vivendo em Londres; o período em que eu tive que realmente descobrir quem eu era como um artista. Felizmente, eu tive a oportunidade de prestar homenagem ao original com a minha própria versão, com a incrível Justine Suissa nos vocais. As letras são tão incrivelmente comovente e poderosas – “rise up together” (vamos nos levantar juntos) é um slogan eu acho que serve a todos nós.  Nos últimos anos, “Remember This” tem ressoado imensamente com os fãs. Eu acho que veio no momento certo, onde era um híbrido de sons combinados dos dias modernos com a inocência do trance do passado. E mesmo passado alguns anos desde sua estréia, ainda é absolutamente enorme nos meus sets hoje, não importa em que parte do mundo eu esteja tocando. E, claro, eu tenho que mencionar o impacto de “Destiny” ao longo dos últimos 12 meses e o desempenho incrível dos vocais de Delacey. Eu nem consigo acreditar o quanto todo mundo tem abraçado essa track.


3) Uma das memórias mais incríveis que eu tenho sua foi uma apresentação que você fez em “A State of Trance # 600 World Tour”, que você tocou antes de Armin van Buuren. Onde foi a apresentação mais inesquecível que você fez e por quê? Você tem lembranças especiais sobre o publico brasileiro? 
A única coisa que me lembro daquela noite do publico para “Nothing Without Me”. Deve ter sido alguns meses após o primeiro álbum “Scream” sair [existem 2 albuns com o mesmo nome, Scream e Scream 2] e “Nothing Without Me” foi o maior single que todo mundo pediu para ser liberado, de modo a torná-lo especial, eu acho que o 150º lançamento pela Coldharbour Recordings. 

Foi o maior show que eu tinha feito no Brasil até então, e eu definitivamente gostei muito de sentir a paixão do público. O mais inesquecível? Difícil escolher apenas um, mas tenho grande carinho pelos sets solo que toquei nos locais mais respeitados em todo o mundo – gosto de Avalon, em Los Angeles, Ministry of Sound em Londres, Stereo em Montreal e, claro, o meu lar espiritual, a Space em Miami. Falando em festivais a Tomorrowland na Bélgica é muito especial, e eles tinham fé em mim para realizar um set inteiro desde o início do dia até o fim com umas 13 horas a alguns anos atrás.

4) Como foi a apresentação no Tomorrowland Brasil? Você estava animado?
Estava por três razões. Primeiro é que é o meu primeiro show no Brasil após tanto tempo, então estava muito feliz por me reconectar com os fãs no país através de uma performance ao vivo. Em segundo lugar está a ter a oportunidade de tocar num festival como o Tomorrowland fora da Bélgica pela primeira vez, por isso estava curioso para ver se o espetáculo e atmosfera pode ser repetidas com a edição brasileira. E em terceiro lugar, o evento Tomorrowland Brasil ocorreu apenas uma semana antes do lançamento do mundial de “Watch the World”. Tenho sido muito seletivo sobre quais tracks tocar em determinados lugares, por isso estreei várias tracks lá!

MarkusSchulz

5) Existe outro lugar que você gostaria de tocar e ainda não teve oportunidade?
Há um lugar no Brasil que eu toquei algumas vezes antes, mas a última oportunidade foi a muitos anos atrás, e que é Green Valley em Camboriu. Eu me inspirei tanto em minhas visitas anteriores lá, tocando até tarde da noite e ser capaz de ver a natureza, com o sol surgindo é uma das vistas mais impressionantes que você nunca poderia ser privilégio de testemunhar a partir de uma cabine de DJ. Então, eu gostaria de voltar para lá e tocar para os fãs do Green Valley novamente [fica a dica galera da GV!]. Como alguns de vocês devem saber, eu dediquei uma das tracks do album “Thoughts Become Things II” sob o meu apelido Dakota ao clube.

6) Como é que Pink Floyd e Kraftwerk influenciaram a sua música?

O que me atraiu para ambos, particularmente Pink Floyd, foi que eles estavam fazendo coisas que ninguém mais estava fazendo. E que tem sido uma característica que tenho realizado na minha própria carreira – sendo o yin numa época em que todos eram yang [Schulz faz referência a cultura chinesa, onde yin e yang são energias opostas]. Eles tiveram a coragem de ser diferente, eles assumiram riscos e as pessoas adoravam-los por isso. O album “The Dark Side of the Moon” é o meu favorito de todos os tempos, e eu recomendo fortemente quem nunca ouviu, escutar esse álbum, porque você vai se sentir inspirado depois de ouvir. Ainda hoje, depois de ouvir inúmeras vezes do começo ao fim, eu continuo a achar influência e inspiração para aproveitar em meu próprio material.

classic

7) O que você pode nos dizer mais sobre “Watch the World”? Como o nome surgiu? O que você pode nos dizer sobre a música nesta fase de sua vida? É sua maior realização profissional? Por quê?

Sim, o álbum será o meu sexto sob o nome de Markus Schulz, e saiu na sexta-feira 29 de abril. O nome vem de uma das faixas, que contará com a voz já tão familiar da maravilhosa Lady V do “Erase You” e  da famosa “Winter Kills Me”. São 17 faixas no álbum. O tema principal deste álbum é que ele foi construído sobre a espinha dorsal de uma aventura pessoal para mim, mergulhei no mundo da composição, onde tudo começa com uma caneta e um pedaço de papel em branco. Depois de completar os dois álbuns “Scream”, eu estava em um ponto na minha carreira onde eu queria avaliar e ver onde eu queria ir no futuro.

Quando você é mais jovem, não se pensa muito além de brincar com equalizadores e sons, mas agora eu estou em um ponto em minha vida onde encontrar a arte de composição é extremamente gratificante. Quando eu estava na escola, o único assunto que me destaquei foi na escrita criativa, de modo que, pessoalmente, é muito gratificante para mim a mergulhar em um interesse que estavam lá na minha juventude, mas tinham desaparecido quando comecei a minha carreira de DJ.

“Destiny” foi o primeiro resultado disso, e eu estava surpreendido com o apoio que recebi, incluindo a nomeação IDMA de Melhor track Trance. E as palavras daquela musica são sobre mim, onde você conhece alguém em sua vida que o inspira a tal ponto que você sente que era para acontecer. Assim, as reações do “Destiny” me deram mais confiança para realizar mais composições. “Facedown”, o single mais recente que você  ouviu falar, foi inspirado pela minha apresentação no Tomorrowland do ano passado. Eu era um dos três privilegiados convidados a participar do “Daybreak Sessions” abertura que define o tom para o resto do dia no palco principal.

Markus-Schulz-Tomorrowland-20101

Então eu entrei na cabine e estava ajustando tudo, e as pessoas estavam acampadas ali por causa do palco principal, esperando por ele reabrir. Eu olhei para fora e vi-los apenas deitado ali abraçados; eles não tinham nada. Eles não têm uma tenda, eles tinham apenas um cobertor, ou camisas, ou o que quer que seja, e eles estavam apenas deitados lá. Aquilo tudo me inspirou. As letras de “Facedown” descrevem alguém que não tem nada, mas que fazem do momento o mais incrível. É sobre ter nada; ainda assim você festejar e deixa os problemas longe dali. Para suportar o elemento de composição, há algumas composições instrumentais que tenho muito orgulho. Um é chamado “A Better Than You”, e aqueles que foram me ver ao vivo desde o Natal e ouviram o Global DJ Broadcast sabem que as tenho incluída em muitos desses shows. E outra é uma colaboração com o grande dupla alemã de Kyau & Albert. Sou um grande fã do seu trabalho ao longo dos anos, e é muito bom que, em seu 20º ano, produzindo juntos, eles foram tão acolhedores em colaborar em algo melodicamente tão tocante – a track “Fears”. Há ainda uma faixa do álbum que é dedicado às pessoas incríveis que contribuem para o grupo de fãs do “Exército Schulz”, e essa track é chamada “Soldier”. Essas pessoas são efetivamente os “soldados” que estão ajudando a espalhar a palavra do que eu sou e represento, e eu sou eternamente grato por tudo o que fazem.

[Escute o álbum na íntegra no Spotify clicando aqui]

8) Deixe uma mensagem para seus fãs brasileiros.

Como sempre, muito obrigado por todo o seu apoio, especialmente porque faz muito tempo desde a minha última visita o para um show. Foi muito emocionante experimentar o Tomorrowland Brasil pela primeira vez, e claro, poder comer pão de queijo novamente, hahaha!

*Agradecimento especial a Tim

Categoria(s):

entrevistas

VEJA TAMBÉM:

Entrevista com Volt & State, duo que é a aposta da Protocol Recordings em 2016

  A dupla holandesa Volt & State – formada respectivamente por Martin Volt e Quentin State – aparecem como mais uma aposta das grandes labels para o [...]

Entrevista com Ferry Corsten, um dos pilares do trance mundial

No último Tomorrowland Brasil, nós conversamos com um dos pilares do trance mundial - Vem ver nosso bate-papo com o DJ Ferry Corsten

Laroc Club traz Deniz Koyu a São Paulo

Com propósito de realizar sunsets ao som de conceituados artistas da EDM, no dia 14 de maio, a Laroc Club em Valinhos, será palco da apresentação do alemão Deniz Koyu, um [...]
COMPARTILHAR > COMENTAR >

CONFIRA TAMBÉM...